Portuguese English French German Italian Russian Spanish
Cuidados com o cordeiro do nascimento ao abate pixabay

1.      Introdução

A criação de cordeiros para produção de carne tem crescido no Brasil nas duas últimas décadas, apesar disso, a produção no país ainda é baixa e insuficiente para suprir a demanda nacional por carne ovina. Este cenário ocorre principalmente pela falta de conhecimento por parte dos produtores do manejo correto dos cordeiros ou a não colocação em prática do conhecimento adquirido.

O manejo se inicia quando este ainda está no ventre materno, ou seja, tem que ser dado a matriz condições sanitárias e principalmente nutricionais para que tenha uma boa gestação. É sabido que no terço final de gestação ocorre o maior crescimento do feto, e deve ser fornecido alimento de qualidade nutricional e que supra as exigências nutricionais da ovelha.

No nascimento, com o comportamento natural de lamber a cria e cheirar, cria-se o vinculo materno-filial, pois é importantíssimo que a ovelha tenha boa habilidade materna e aceite o seu cordeiro. Este então mamará o colostro que é primordial para o seu sistema imune, e que deve ser ingerido nas primeiras horas de vida. Estudos indicam que nas primeiras 12 horas de vida ocorre a maior porcentagem de absorção de imunoglobulinas via colostro. Por este motivo, a pessoa responsável pelo manejo dos animais deve verificar se a ovelha permitiu ao cordeiro mamar o colostro, caso não, este deve ser forçado. Pode-se prender a ovelha, ou segurá-la enquanto o cordeiro faz a mamada. Geralmente, após repetir este ato algumas vezes, a ovelha passa a aceitar o cordeiro. Caso isso não ocorra, ou por algum problema durante ou pós-parto a ovelha venha a óbito, o colostro pode ser fornecido artificialmente (banco de colostro).

 

2.      Manejo com o cordeiro após o nascimento

O manejo com o cordeiro após o nascimento deve ser o mínimo possível, evitando desta forma que a ovelha o rejeite. Porém, alguns procedimentos devem ser realizados, como o corte e “cura” do umbigo. O umbigo deve ser cortado deixando de 2 a 3 cm e desinfectado com solução de iodo a 10%. Este cuidado evita a instalação de miíase (larvas da mosca Cochliomyia hominivorax) e infecção. Outra atividade importante é pesar o cordeiro (peso ao nascimento ou ao nascer). O peso ao nascer está estritamente ligado à mortalidade de cordeiros após o nascimento, pois quanto menor o peso ao nascer, maior a probabilidade de mortalidade (10%). O cordeiro deve receber também um número de identificação.

As atividades de castração e caudectomia ainda são utilizadas por alguns produtores, devendo ser realizadas a partir da segunda semana de vida, porém têm caído em desuso. São atividades que causam estresse e dor desnecessária ao animal. Como os animais são abatidos com seis meses de idade em média, não há necessidade de castrar, além disso, machos não castrados crescem mais que animais castrados.

 

3.      Manejo nutricional

A fim de que os cordeiros sejam desmamados com maior peso, podem ser adotadas estratégias como o creep feeding ou creep crazing. Nestas somente os cordeiros tem acesso ao concentrado com alto valor nutricional, principalmente proteico, e pasto diferenciado, respectivamente. A partir de 21 dias de idade os cordeiros já estão aptos a se alimentarem de pastagem e concentrado.

É importante fornecer alimento de qualidade para os cordeiros, pois a curva de lactação das ovelhas decai a partir da quarta semana de lactação, e o cordeiro necessita de outra fonte de alimentação para suprir as suas exigências nutricionais. Sendo considerado um ruminante completo a partir dos 60 dias de idade, e nesta fase o leite representa menos de 10% na exigência diária do cordeiro. Ou seja, estão prontos para o desmame.

 

4.      Desmame

O desmame é uma das práticas mais estressantes para o cordeiro e para a ovelha. Por isso é importante que os cordeiros consumam alimentos de qualidade superior logo após este procedimento.

Os cordeiros devem ser pesados no momento do desmame, obtendo o peso ao desmame, dado importante para calcular o desempenho do animal, e serve como critério de seleção não só do cordeiro como também da matriz.

Há pelo menos três modalidades de desmame, variando cada um com a idade em que o cordeiro foi desmamado. O desmame pode ser precoce, onde os cordeiros são desmamados entre 21 e 45 dias de idade. Desmame semi-precoce, os cordeiros são desmamados entre 60 e 100 dias de idade e desmame tardio entre 100 e 150 dias de idade.

Como falado anteriormente com 60 dias, o cordeiro já é um ruminante completo, além do que, tem uma velocidade de crescimento bastante grande durante os primeiros seis meses de vida e alta eficiência alimentar, diminuindo a partir de então, até completar o seu desenvolvimento. Neste contexto, o desmame até os 60 dias de idade seria o melhor. Além disso, diminui o desgaste da ovelha, tendo tempo suficiente para a mesma recuperar a condição corporal para nova monta.

Os cordeiros devem ser vacinados contra clostridiose, primeira dose a partir da oitava semana de vida (cordeiros de mães vacinadas) ou a partir da segunda semana de vida (cordeiros de mães não vacinadas), deve ser repetida num intervalo de quatro semanas e se necessário devem ser desverminados tendo como base o exame de fezes e ganho em peso dos animais.

 

5.      Terminação

O manejo correto durante a fase anterior irá refletir no desempenho dos animais na terminação, seja ela no pasto ou no confinamento. A escolha da forma de terminação é um critério particular e cabe ao produtor e/ou ao técnico que o assisti decidir a melhor forma. O importante é que seja muito bem planejada, para que não ocorram grandes perdas. Vale ressaltar, que no confinamento os gastos são maiores, principalmente com a alimentação que pode representar cerca de 70% do custo total.

Na terminação, deve ser fornecido ao cordeiro alimento de qualidade e que supra as exigências do animal para produção. Os animais devem ser pesados periodicamente para o acompanhamento do ganho em peso, bem como, deve ser realizado exame de fezes para saber o grau de infecção por parasitas gastrintestinais, sendo que estes são responsáveis pelos maiores prejuízos na produção de cordeiros, principalmente nos criados em pasto. Caso necessário (levar em consideração o exame de fezes e o ganho em peso do animal), os animais devem ser desverminados com anti-helmíntico eficaz.

Como já falado anteriormente, os cordeiros apresentam rápida velocidade de crescimento e alta eficiência alimentar. Além disso, nesta fase, a carcaça e a carne apresentam as características quantitativas e qualitativas mais desejadas pelo consumidor, como carcaças com pouca gordura e carne macia. Por este motivo, o abate precoce é interessante, não sendo compensador reter os animais de abate, além desta idade (seis meses de idade).

 

6.      Considerações finais

Consumo de carne ovina no Brasil é baixo ao redor de 800 g per capita, mesmo assim, a produção nacional não consegue suprir esta demanda. Isto se deve principalmente ao manejo incorreto dos cordeiros nas propriedades o que é causa muitas vezes de mortalidade. O correto manejo dos cordeiros do nascimento ao abate diminuiria a mortalidade de animais e consequentemente a oferta destes para o abate.

  • Nunca administre qualquer tratamento sem consultar um profissional da área. Esse site é meramente informativo e não oferecemos consultas gratuitas.
LINK:

Sobre o autor

Website.: www.facebook.com/fabiana.almeida.3950

Zootecnista formada na Universidade Estadual Paulista - UNESP Câmpus de Ilha Solteira. Mestre em Biologia Geral e Aplicada pela UNESP Câmpus de Botucatu. Doutora em Zootecnia pela UNESP Câmpus de Jaboticabal. Pós-doutoranda do Departamento de Parasitologia da UNESP Câmpus de Botucatu. Tem experiência na área de Zootecnia, com ênfase em Produção Animal, Avaliação de Alimentos para Ruminantes e Parasitologia Zootécnica, atuando principalmente nos seguintes temas: Produção de Ovinos, Qualidade da Carne Ovina e Parasitologia de Ruminantes (resistência e controle).

Contato: (18) 99776-1412
Botucatu - SP

E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Mais recentes de Fabiana Alves de Almeida

Mais Vistos

Principais raças de ovinos

Principais raças de ovinos

Aqui estão listadas as principais raças de ovinos onde podemos...

Confinamento de boi de corte

Confinamento de boi de corte

É chamado de confinamento o sistema de criação de bovinos...

Abscessos causados por brigas em gatos

Abscessos causados por brigas em gatos

Um abscesso se desenvolve quando germes ficam presos sob a...

Ausência de ânus em cães e gatos

Ausência de ânus em cães e gatos

Atresia anal associada a fístula retrovaginal em cães A ausência...

Sanidade em pequenos ruminantes

Sanidade em pequenos ruminantes

A produção de pequenos ruminantes tem apresentado um crescimento mundial...

Ingestão de corpo estranho em cães

Ingestão de corpo estranho em cães

Com grande frequência atendemos pacientes onde os tutores relatam a...

Verminose Equina

Verminose Equina

Os equinos apresentam grande variedade de parasitos, principalmente vermes. Algumas...

Cólica Equina: Causas,Tratamentos e Prevenção

Cólica Equina: Causas,Tratamentos e Prevenção

A cólica equina é uma doença que afeta o aparelho digestivo e...

Hipoglicemia - Perda de consciência e estado de coma

Hipoglicemia - Perda de consciência e estado de coma

A baixa taxa de açúcar no sangue, tecnicamente chamada de...

Colostragem de bezerros leiteiros

Colostragem de bezerros leiteiros

Um dos aspectos mais importantes no sucesso na criação de...

Febre do leite ou hipercalcemia puerperal

Febre do leite ou hipercalcemia puerperal

Paresia bovina do parto, ou também conhecida como Febre do...

Carrapatos transmitem infecções aos seres humanos e animais

Carrapatos transmitem infecções aos seres humanos e animais

Os carrapatos afetam muito mais os cachorros do que os...

O gato Persa

O gato Persa

História   Por volta dos anos 1600, um viajante Italiano,...

Fornecimento de feno de alfafa picado ou peletizado para bezerros leiteiros

Fornecimento de feno de alfafa picado ou peletizado para bezerros leiteiros

A inclusão de forragem na dieta de bezerros leiteiros foi...

Linfadenite Caseosa (Pseudotuberculose)

Linfadenite Caseosa (Pseudotuberculose)

A Linfadenite Caseosa (Pseudotuberculose) É enfermidade infecto-contagiosa crônica de localização...

Raça: Maine Coon

Raça: Maine Coon

História   Uma das raças mais antigas na América do...