Portuguese English French German Italian Russian Spanish
2º Lei de Mendel reprodução

2º Lei de Mendel

Em suas primeiras experiências, Mendel verificou apenas uma característica de cada vez (monoibridismo), não se preocupando com as demais características. Depois de muitas experiências, Mendel prosseguiu com suas pesquisas e começou a se preocupar com o comportamento de duas características, analisando dois caracteres ao mesmo tempo. Ao verificar cruzamentos que envolviam dois tipos de características (di-hibridismo), Mendel enunciou a sua segunda lei, também chamada de lei da segregação independente.

Mendel cruzou plantas puras de ervilha originadas de sementes amarelas e lisas (dominantes), com plantas puras de ervilha originadas de sementes verdes e rugosas (recessivos). A geração F1 era totalmente constituída por sementes amarelas e lisas.


Após o primeiro cruzamento, Mendel realizou uma autofecundação entre as plantas originadas das sementes da geração F1, e obteve como resultado quatro tipos de sementes:

  • amarelas-lisas (9/16);
  • amarelas-rugosas (3/16);
  • verdes-lisas (3/16)
  • verde-rugosa (1/16).

Na segunda Geração F2 Mendel analisou:
“Amarela-lisa” e “verde-rugosa” eram fenótipos já conhecidos, mas “amarela-rugosa” e “verde-lisa”, não estavam presentes na geração paterna e nem na geração F1. A partir daí, Mendel concluiu que a característica de cor da semente (amarela ou verde), não está ligada à característica formal da semente (lisa ou rugosa), ou seja, a herança da cor era independente da herança da superfície da semente.

Levando em conta esses cruzamentos, podemos dizer que na segunda lei de Mendel os genes para um ou mais caracteres são transmitidos aos gametas de forma independente, recombinando-se ao acaso e formando todas as combinações possíveis.

 

Mídia

me salva
  • Nunca administre qualquer tratamento sem consultar um profissional da área. Esse site é meramente informativo e não oferecemos consultas gratuitas.
LINK: