Portuguese English French German Italian Russian Spanish

O tecido conjuntivo é constituído por células bem diferenciadas e por abundante material intercelular. Este material intercelular é formado por substância fundamental, também chamada de matriz, e por elementos fibrilares. A substância fundamental é formada por água e por macromoléculas alongadas, como pelas glicosaminoglicanas, pelas proteoglicanas, pelas glicoproteínas e pelo ácido hialurônico. Os elementos fibrilares são as fibras elásticas, as fibras reticulares e as fibras colágenas.  Este tecido possui vasos sangüíneos, nervos e células sem justaposição.

Funções do tecido conjuntivo:

  1.  Preencher, estabelecer conexão entre os diversos tipos de tecidos ou órgãos, sustentar (osso e cartilagem), transportar substâncias (sangue) e auxiliar na defesa (glóbulos brancos).
     
  2. O tecido conjuntivo propriamente dito, principalmente o tecido adiposo, armazena lipídios.  Além disso, o conjuntivo frouxo armazena água e sódio.
     
  3. Contém células fagocitárias (macrófagos) e células que produzem anticorpos (plasmócitos). Ressalta-se ainda a importante função de proteção à penetração de bactérias e partículas estranhas da substância fundamental amorfa, devido à viscosidade do tecido.
     
  4.  Participa da inflamação, que é uma resposta do organismo à penetração de bactérias ou substâncias químicas irritantes. Quando eventualmente o tecido não consegue destruir estas bactérias, o próprio tecido forma uma barreira fibrosa para conter a inflamação.
     
  5. Capacidade de multiplicação e, além de regenerar o próprio tecido, podem regenerar outros tecidos que tenham capacidade regenerativa baixa ou nula (cicatrização).
Devido à associação entre o tecido conjuntivo e os vasos sangüíneos e linfáticos, o tecido conjuntivo tem a capacidade de transportar nutrientes para as células de outros tecidos, como também eliminar o refugo do metabolismo, pelo caminho inverso.
 
Celulas Constituintes:
  • Fibroblasto e Fibrócito: Os fibroblastos são as células mais comuns do tecido conjuntivo. Caracterizam-se por serem células grandes, contendo um núcleo oval bem evidente e citoplasma rico em ergastoplasma e em prolongamentos citoplasmáticos. Os fibroblastos têm a função de sintetizar fibras do tecido conjuntivo e as proteoglicanas e glicoproteínas da matriz. Também apresentam pouco citoplasma e são pobres em ergastoplasma, além de possuírem um núcleo menor e alongado. Havendo um estímulo, como ocorre nos processos de cicatrização, o fibrócito pode voltar a sintetizar fibras, reassumindo a forma de fibroblasto.
    Já os fibrócitos são as células velhas, que já terminaram seu trabalho de fabricação dos fibroblastos.
    (ver imagem)
     
  • Plasmócito: Os plasmócitos são células pouco numerosas no conjuntivo. Têm formato oval e núcleo esférico com cromatina em grumos, dando ao núcleo, aspecto de roda de carroça. São células que sintetizam e secretam anticorpos e imunoglobulinas. Aparece em grande número nos locais onde há inflamação crônica e em locais sujeitos a penetração de microorganismos, como por exemplo, na mucosa intestinal. Também derivam do linfócito tipo B ativado e produz o anticorpo necessário para a resposta do organismo frente à penetração de moléculas estranhas (antígenos). (ver imagem)
     
  • Mastócito: Os mastócitos são células altamente nutritivas, grandes, globosas, com o citoplasma repleto de grânulos e com núcleo esférico central. Eles têm a função de produzir e armazenar mediadores químicos do processo inflamatório. A liberação desses mediadores químicos, como histamina e fator quimiotático dos eosinófilos, promove reações alérgicas, as chamadas reações de sensibilidade imediata. (ver imagem)
     
  • Macrógrafo: Os macrófagos são células de defesa muito ativas que contém muitos lisossomos. Eles têm a função de fagocitar, secretar substâncias que participam do processo imunológico de defesa e atuar como célula apresentadora de antígenos. Quando estimulados (infecções) os macrófagos se modificam sendo chamados de macrófagos ativados, ficando assim com maior capacidade de matar e digerir partículas estranhas. Dependendo do tamanho do corpo estranho, podem até unir-se, formando células gigantes multinucleadas. Origina-se dos monócitos. Na verdade trata-se da mesma célula em diferentes fases morfológicas. 
     
  • Célula Adiposa: A célula adiposa tem a função de armazenar energia sob a forma de lipídeos, de proteger e de amortecer. Ela pode armazenar o lipídeo de duas maneiras: ou preenche totalmente o citoplasma, deixando a célula com aspecto globoso, ou o lipídeo ocupa o citoplasma celular, como pequenas gotas. Quando o lipídeo ocupa todo o citoplasma, o tecido recebe o nome de tecido adiposo unilocular e quando o lipídeo ocupa pequenas partes do citoplasma, chama-se de tecido adiposo multilocular
     

Fibras do Tecido 
São distribuídas desigualmente pelo tecido, o que gera a característica principal de cada tipo de tecido:

  • As fibras colágenas são as mais freqüentes no tecido conjuntivo e em muitos casos aparecem agrupadas formando um feixe. Estas fibras são constituídas pela proteína colágeno, que é a proteína mais abundante no corpo humano, chegando em torno de 30%.
     
  • As fibras reticulares são formadas por colágeno tipo III e por glicídios. Formam o arcabouço dos órgãos hematopoiéticos e também as redes em torno das células musculares e das células epiteliais de muitos órgãos, como, por exemplo, do fígado e dos rins.
     
  • As fibras elásticas são mais finas que as fibras colágenas. Ligam-se umas as outras formando uma malha, a qual cede facilmente às trações mínimas, porém retomam sua forma inicial logo que cessam as forças deformantes. Seu componente principal é a elastina, uma proteína estrutural mais resistente que o colágeno.
     

Divisões do Tecido:

  • Tecido Conjutivo Propriamente Dito: O tecido conjuntivo é constituído por vários tipos e células que encontram-se imersas em uma substância intercelular, designada como matriz extracelular. Esta matriz é produzida pela maioria das células, sendo constituída por: glicosaminoglicanos (GAGs), proteínas fibrilares, glicoproteínas estruturais extracelulares, íons, etc.
     
  • Tecido Conjuntivo Flouxo: É o mais comum dos tecidos conjuntivos. Preenche os espaços entre as fibras e os feixes musculares. Serve de apoio ao tecido epitelial, estando sob a pele de todo o corpo. É encontrado nas mucosas, nas glândulas e em torno dos vasos sanguíneos e linfáticos, formando a fascia e a tela subcutânea. É delicado, flexível e pouco resistente à tração. (ver imagem)

    Este tecido tem todos os elementos estruturais típicos do conjuntivo, portanto ele é constituído por células, por fibras e pela substância fundamental, não havendo predominância de um destes componentes.

    As células observadas são:
    Fibroblastos: têm forma estrelada e estão presentes em grande número. Eles secretam as proteínas para a formação da substância amorfa.
    Macrófagos: são células grandes, amebóides e são especializados na fagocitose de bactérias e de restos celulares.
    Plasmócitos: produzem anticorpos.

    Em relação às fibras encontradas, destacam-se as seguintes:
    Elásticas: longos fios de elastina que dão elasticidade ao tecido.
    Colágenas: constituídas de colágeno. São grossas e resistentes.
    Reticulares: ligam o tecido conjuntivo aos tecidos vizinhos através de ramificações.

    Além desses componentes, o tecido conjuntivo frouxo também é constituído de substância fundamental amorfa, que envolve as células e as fibras. Este tecido se caracteriza por ser rico em substância intercelular e relativamente pobre em fibras.

     
  • Tecido Conjuntivo Denso
    É adaptado para oferecer mais resistência e proteção, mesmo sendo menos flexível que o tecido conjuntivo frouxo. Caracteriza-se por ter predominância de fibras colágenas e pouca substância fundamental amorfa. 

    Esse tecido se divide em dois tipos:
    Denso Fibroso(não modelado): Contém fibroblastos, fibrócitos e abundância de fibras colágenas entrelaçadas, que dão resistência e elasticidade ao tecido. É encontrado formando as cápsulas que envolvem o fígado, o baço, o osso, a cartilagem e a parte profunda da pele (dando forma as partes do corpo). (ver imagem)

    Denso Tendinoso(modelado): Contém fibroblastos, fibrócitos, abundância de fibras colágenas dispostas paralelamente e fibras orientadas paralelamente, que dão resistência, mas pouca elasticidade ao tecido.  Ele forma os tendões (ligação dos músculos aos ossos) e os ligamentos (ligam os ossos entre si). (ver imagem)

 

Tecido Conjuntivo de Propriedades Especiais 

  • Tecido Adiposo: É caracterizado por células adiposas, as quais denominam-se  adipócitos, que armazenam muita gordura. Estas células possuem um vacúolo central (pode aumentar ou diminuir de acordo com o metabolismo do indivíduo). A quantidade de gordura difere nas partes do corpo. Histologicamente os adipócitos são esféricos quando isolados, mas tem forma poliédrica quando justapostos para formar o tecido adiposo. Nos preparados histológicos de rotina, o lipídio é extraído durante o processo de desidratação com solventes orgânicos, o que dá o aspecto de uma rede delicada de polígonos irregulares.

    Exercem funções de isolante térmico, de proteção dos órgãos contra choques mecânicos e de reserva energética.  A gordura constitui uma forma eficiente de armazenamento de calorias porque apresenta cerca do dobro da densidade calórica dos carboidratos e das proteínas.

    Quanto à irrigação, é um tecido ricamente irrigado por vasos sanguíneos. Podem ser vistos capilares na maioria dos ângulos da malha de adipócitos justapostos. Além disso, com coloração especial, é possível visualizar fibras nervosa amielínicas e mastócitos.

    A quantidade de tecido adiposo em um individuo é determinada por fatores genéticos e pela ingestão de calorias. A mobilização e deposição dos lipídios sofrem influência de fatores neurais e hormonais. A noradrenalina é essencial para mobilização dos lipídios, pois ela inicia uma série de passos metabólicos nos adipócitos que levam a ativação da lípase. A lípase é uma enzima que cinde os triglicerídeos.

    Classificação do tecido adiposo (de acordo com sua cor em estado vivo):
    Tecido Adiposo Branco (amarelo) ou unilocular.
    Tecido Adiposo Pardo ou multilocular.

     
  • Tecido Adiposo Unilocular: O nome unilocular é pelo fato de que cada adipócito encontra-se repleto de uma única e grande gotícula lipídica de gordura neutra. No corpo humano adulto ele existe em maior quantidade que o multilocular. As funções são de reserva energética, de isolante térmico e de proteção contra choques dos órgãos vitais.

    Ele forma o panículo adiposo, que é uma camada isolante que se localiza abaixo da derme da pele. É mais espesso em indivíduos que vivem em climas árticos.

    O tecido adiposo unilocular se localiza em maior quantidade sob a pele do abdome (em maior quantidade no omento, mesentério e no espaço retroperitonial), nádegas, axilas, coxas e nas mamas. Ele também é encontrado na medula óssea e entre outros tecidos, preenchendo os lugares vazios. Podemos encontrá-lo também na planta dos pés, nas palmas das mãos, sob o pericárdio visceral e envolvendo os globos oculares (nesses locais ele tem função de amortecedor de impactos).

    Esse tecido começa a se desenvolver no embrião por volta da metade da vida uterina. Os adipócitos uniloculares são grandes, com a gotícula de lipídio sem membrana em volta. As organelas ficam concentradas no citoplasma perinuclear. Apresenta um pequeno Aparelho de Golgi, alguns ribossomos, REG, microfilamentos e filamentos intermediários.  Podem ser visualizadas mitocôndrias compridas, típicas das células adiposas.
     
  • Tecido Adiposo Multilocular: As células do tecido adiposo multilocular apresentam numerosas gotículas de gordura no citoplasma. O núcleo é redondo e excêntrico. Esta característica do núcleo é que auxilia na diferenciação com o tecido adiposo unilocular. Podemos encontrá-lo, por exemplo, na periferia do timo.

    Tecido Mucoso: Encontramos neste tecido a predominância de substância fundamental amorfa e poucas fibras.Tem aspecto gelatinoso, e é o principal constituinte do cordão umbilical, onde é chamado de Gelatina de Wharton, e encontrado na polpa dental jovem.

    Tecido Elástico: É formado por fibras elásticas grossas, por fibras colágenas finas e por fibroblastos. É um tecido pouco freqüente, sendo encontrado nos ligamentos da coluna vertebral e no ligamento suspensor do pênis.

    Tecido Reticular: É formado por fibras reticulares e por células reticulares (fibroblastos que produzem fibras reticulares). É um tecido muito delicado e forma uma rede para sustentar as células. Encontra-se nos órgãos que formam as células do sangue (medula óssea).
  • Nunca administre qualquer tratamento sem consultar um profissional da área. Esse site é meramente informativo e não oferecemos consultas gratuitas.
LINK: