Portuguese English French German Italian Russian Spanish
Epilepsia em Cães e Gatos london dog/google

Epilepsia em Cães e Gatos

Cães e gatos estão sujeitos a ter várias doenças comuns aos humanos, à epilepsia é uma dessas doenças. A epilepsia é uma das patologias neurológicas mais comuns no cão e no gato, é uma doença que afeta o Sistema Nervoso Central (SNC) e o animal apresenta crises convulsivas e repetidas, apesar das convulsões serem sempre consideradas eventos anormais, é importante saber que nem todas as convulsões são provocadas pela epilepsia.

 

Fases da convulsão (epilepsia) 

Uma convulsão típica é caracterizada por um período inicial, o pródromo, seguido pela aura, ictus e, finalmente, pela fase pós-ictus.


1. O pródromo é o fenômeno comportamental que precede o início de uma convulsão, como por exemplo, o animal esconde-se, segue o dono, ou parece inquieto ou assustado. Frequentemente, os donos conseguem reconhecer este tipo de comportamento nos seus animais, permitindo-lhes “prever” o início de uma convulsão. Os pródromos podem ser prolongados, variando de horas a dias.
 
2. A aura é a sensação inicial da convulsão. Neste período, que pode demorar de minutos a horas, os animais podem exibir um comportamento alterado como por exemplo, ficar andando e se lambendo excessivamente, salivação, micção, vómito, ou mesmo eventos psíquicos não usuais, tais como ladrar excessivamente, ou aumento/diminuição da procura de atenção por parte do dono.
 
3. O ictus ou período ictal, é quando realmente ocorre a convulsão, tendo como duração geralmente de alguns segundos a minutos. A fase de pós-ictus caracteriza-se pelo comportamento atípico exibido pelo animal (devido a exaustão cerebral) e que ocorre imediatamente após a convulsão, como por exemplo, inquietação, delírio, confusão, cegueira, sede, fome, micção ou defecação de forma inadequada; esta fase pode ter uma duração que varia desde alguns segundos a várias horas.
 
 

Causas da epilepsia em cães 

A epilepsia pode ter origem: Primária (epilepsia idiopática) quando não encontramos a causa, normalmente esta tem caráter hereditário. Já a secundária (adquirida) a origem pode ser por desenvolvimento anormal, neoplasias, doenças infecciosas, inflamatórias e vasculares, intoxicações, traumas cranianos) e alterações extracranianas (falhas renais e hepáticas, hipoglicemia, hipocalcemia, etc).
 
As convulsões podem ser generalizadas ou focais. No status epilepticus as convulsões são continuas (generalizadas). Chamamos de Epilepsia o quadro clínico caracterizado pela repetição frequente dos episódios de convulsão.

 

Sinais e sintomas da epilepsia 

Nas crises epiléticas há perda súbita de consciência, o animal permanece deitado de lado e manifesta movimentos violentos que envolvem todo o corpo, com contrações musculares, movimentos de “pedalar” e tremores, também são observados movimentos mastigatórios e “tiques” faciais, assim como, dilatação pupilar, salivação, micção e defecação espontânea.

 

Primeiros socorros 

Mantenha a calma, as crises normalmente duram de 1 a 5 minutos.
 
• Durante uma convulsão, é necessário que o proprietário tente proteger o cão para que ele não se machuque, batendo em objetos ou caindo de lugares altos, como escadas, por exemplo.
• Procure acomodá-lo tão confortável quanto possível e deixe o ambiente tranquilo e com pouca luz. Apoie a cabeça em um travesseiro, não o pegue no colo, não fique assoprando o focinho do paciente e não coloque a mão na boca para tentar retirar a língua. Estes procedimentos além de não ajudar o paciente pode fazer com que você leve uma mordida grave, cães dificilmente irão “engolir” a língua durante uma crise.
• É importante lembrar que durante a crise o cão perde, temporariamente, a consciência o que pode levar ao não reconhecimento do dono e de pessoas familiares.
• Quando o cão estiver ‘voltando’ ao seu estado normal, é recomendável que o proprietário fale com ele, para que o cão, ao reconhecê-lo, tranquilize-se mais rapidamente.

 

Tratamento da epilepsia 

Normalmente, o animal epiléptico, quando medicado, tem uma vida normal e pode viver a vida toda tomando medicamento.

Como cada animal reage de forma individualizada aos medicamentos anti-convulsionantes, é comum que seja necessário um período ‘de experiência’, para que o veterinário chegue à dosagem exata para aquele indivíduo em particular.

Durante este período, podem acontecer estados de excitação ou prostração, que necessitam de observação. Por isso, o Médico Veterinário tem que acompanhar de perto esse paciente fazendo os ajustes necessários na dose e fazendo exames de sangue para ver se a medicação está na dose correta e se não está causando problemas no fígado e rins.

Quando o animal convulsiona pela primeira vez ficamos muito desesperados e preocupados, nas primeiras ocorrências, dependendo do nível do ataque epiléptico, o animal é medicado, e fica em observação. O tratamento com medicações anti-convulsionantes só é indicado para animais que apresentam convulsões frequentes, ou seja, pelo menos uma vez por mês.

Além do histórico clínico, muitas vezes para chegar a um diagnóstico temos que fazer vários exames, como: raio-x, hemograma, exames do coração, dosagens hormonais e tomografia.

O tratamento envolve grande dedicação do proprietário, que precisa ter em mente que o sucesso do tratamento se baseia na redução da frequência, gravidade e duração das convulsões que raramente são abolidas definitivamente.
A medicação precisa ser administrada regularmente sem interrupção.
 
Lembre-se: somente um Médico Veterinário poderá lhe dizer a causa da convulsão e indicar o tratamento correto.


Cuide bem do seu amiguinho!!

  • Nunca administre qualquer tratamento sem consultar um profissional da área. Esse site é meramente informativo e não oferecemos consultas gratuitas.
LINK:

Sobre o autor

Graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC/PR.  Atua como plantonista na área clínica e cirurgica de animais de companhia

E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Mais Vistos

Principais raças de ovinos

Principais raças de ovinos

Aqui estão listadas as principais raças de ovinos onde podemos...

Confinamento de boi de corte

Confinamento de boi de corte

É chamado de confinamento o sistema de criação de bovinos...

Abscessos causados por brigas em gatos

Abscessos causados por brigas em gatos

Um abscesso se desenvolve quando germes ficam presos sob a...

Ausência de ânus em cães e gatos

Ausência de ânus em cães e gatos

Atresia anal associada a fístula retrovaginal em cães A ausência...

Sanidade em pequenos ruminantes

Sanidade em pequenos ruminantes

A produção de pequenos ruminantes tem apresentado um crescimento mundial...

Ingestão de corpo estranho em cães

Ingestão de corpo estranho em cães

Com grande frequência atendemos pacientes onde os tutores relatam a...

Verminose Equina

Verminose Equina

Os equinos apresentam grande variedade de parasitos, principalmente vermes. Algumas...

Cólica Equina: Causas,Tratamentos e Prevenção

Cólica Equina: Causas,Tratamentos e Prevenção

A cólica equina é uma doença que afeta o aparelho digestivo e...

Hipoglicemia - Perda de consciência e estado de coma

Hipoglicemia - Perda de consciência e estado de coma

A baixa taxa de açúcar no sangue, tecnicamente chamada de...

Colostragem de bezerros leiteiros

Colostragem de bezerros leiteiros

Um dos aspectos mais importantes no sucesso na criação de...

Febre do leite ou hipercalcemia puerperal

Febre do leite ou hipercalcemia puerperal

Paresia bovina do parto, ou também conhecida como Febre do...

Carrapatos transmitem infecções aos seres humanos e animais

Carrapatos transmitem infecções aos seres humanos e animais

Os carrapatos afetam muito mais os cachorros do que os...

O gato Persa

O gato Persa

História   Por volta dos anos 1600, um viajante Italiano,...

Fornecimento de feno de alfafa picado ou peletizado para bezerros leiteiros

Fornecimento de feno de alfafa picado ou peletizado para bezerros leiteiros

A inclusão de forragem na dieta de bezerros leiteiros foi...

Raça: Maine Coon

Raça: Maine Coon

História   Uma das raças mais antigas na América do...

Linfadenite Caseosa (Pseudotuberculose)

Linfadenite Caseosa (Pseudotuberculose)

A Linfadenite Caseosa (Pseudotuberculose) É enfermidade infecto-contagiosa crônica de localização...